O que é software? Entenda qual é sua função e os tipos existentes


Taysa Coelho
Taysa Coelho
Jornalista

O que é software e qual a sua função? Quais são os tipos que existem? Qual é a diferença em relação ao hardware? O AppGeek preparou um guia para tirar as principais dúvidas sobre o tema e ajudá-lo a entender o conceito. Confira!

O que é software, afinal?

mão segura iphone aberto na home com diversos ícones de apps

Software é o termo genérico dado a programas, aplicativos, sistemas operacionais, scripts etc. presentes em computadores, smartphones, videogames, smart TVs, entre outros aparelhos eletrônicos.

A pronúncia do termo em português do Brasil é algo como sófitiuér. Mas pode ser mais fácil chamá-lo por sua função específica ou mesmo nome do programa ou app. Por exemplo: antivírus, sistema operacional, editor de texto, navegador etc.

A explicação mais técnica define software como um conjunto de instruções responsável por permitir a comunicação entre o usuário e a máquina. Ele atua como um mediador, capaz de interpretar e transformar esses comandos em ação.

Um exemplo simples: uma pessoa deseja fazer uma pesquisa na internet. Para isso, precisará abrir o navegador, digitar texto sobre o que quer buscar, dar enter. O que para o usuário são apenas toques na tela ou cliques, para a máquina são dezenas de códigos, que devem ser transmitidos e interpretados.

Nesse caso, o trabalho dos softwares é assegurar que tenha o que precisa, no caso, fazer uma pesquisa na internet, de forma prática e intuitiva. Sem precisar entender de programação.

Qual é a diferença entre software e hardware?

mulher sentada no chão em frente à um macbook com um iphone ao lado

Você já sabe que software são os programas ou instruções que permitem que o usuário se comunique com a máquina. A tal “máquina” é o que é chamado de hardware. Ou seja, são todos os componentes físicos de um aparelho eletrônico.

É o HD, a memória, o chip gráfico, a placa-mãe e o processador. Mas também o monitor, mouse, teclado, impressora, pendrive, webcam.

De forma bastante genérica, mas didática, hardware é basicamente todos aqueles itens em que se pode tocar em um eletrônico. Já o software seria o oposto, aqueles intangíveis, que não podem ser tocados fisicamente.

Tipos de software

Há diversas formas de classificar os softwares, seja de acordo com a funcionalidade, tipo ou campo de aplicação. No entanto, eles costumam ser divididos em duas grandes categorias: Software de Sistema (ou básico) e Software Aplicativo.

Software de Sistema (ou básico)

Os softwares de sistema são aqueles que rodam em segundo plano, dando suporte para que outros softwares funcionem. Eles não são usados diretamente pelos usuários, mas sim pelo sistema.

Também conhecidos como Softwares de Base ou Básicos, podem ser divididos em subcategorias.

  • Sistema operacional: é um programa ou um conjunto deles, que tem como função gerenciar os recursos do sistema. Funciona como um intermediário entre os componentes do aparelho e os programas utilizados pelo usuário final. Exemplos: Windows, macOS, Linux, Android, iOS.

imagem digital de um smartphone com o logo do Android na tela

  • Driver: permite a comunicação entre um hardware específico e o sistema operacional. Componentes como placa de som, disco rígido, monitor, webcam, mouse, entre outros, podem exigir a instalação de seu driver para que funcione adequadamente.
  • Firmware: é um tipo de software incorporado de forma permanente à memória ROM (read-only memory ou memória de somente leitura, em livre tradução). Não pode ser excluído ou alterado pelo usuário final. Basicamente, guarda informações constantes, que não mudam, mas são essenciais para o funcionamento de um hardware.
  • Utilitário: é como são chamados os softwares com funções de otimização e análise do sistema. É o caso de programas como antivírus, de gerenciamento e limpeza de disco, descompactadores de arquivos, entre outros. Exemplos: WinZip, Windows File Explorer, CCleaner, Norton Antivirus.

Software aplicativo

homem segura smartwatch com a tela ligada na home

Software aplicativo é como são chamados os programas e apps voltados para o usuário final. São basicamente todas aquelas aplicações que podemos controlar enquanto usamos um celular ou computador.

Esses softwares são desenvolvidos para atender a necessidades específicas e são classificados de acordo com as suas funcionalidades.

Há, por exemplo, editores de texto, de planilhas, de imagens e de áudio. Navegadores de internet, players de vídeo, aplicativos de troca de mensagens e rede sociais, de câmera, entre outros, também se enquadram nessa categoria.

Outras classificações de software

Além das classificações acima, também é bastante comum a divisão dos softwares de acordo com a licença de uso. As principais delas são as seguintes.

  • Software livre: seus desenvolvedores permitem que o software seja usado, copiado e distribuído, com ou sem modificações, por qualquer um.
  • Software proprietário: sua cópia, modificação e distribuição são proibidas pelo autor. Apenas quem é autorizado (seja por compra ou qualquer outro motivo) pode ter acesso a ele.
  • Software de código aberto (open-source): é aquele cujo código-fonte é disponibilizado para pessoas autorizadas para que sejam modificados, seja para aprimoramento ou correção de erros, de acordo com os termos de uso.
  • Freeware: é aquele que apesar de disponibilizados gratuitamente, não podem ser modificados.
  • Shareware: é disponibilizado gratuitamente, mas com alguma limitação, como tempo restrito de uso ou em formato de testes. Se quiser acesso completo, é necessário pagar.

Por que devo manter os softwares atualizados?

tablet com a tela ligada

Periodicamente, os desenvolvedores liberam atualizações de seus softwares. Esses updates podem conter melhorias de segurança, correção de erros e até a inclusão de novos recursos.

Falhas de segurança podem ser exploradas por criminosos virtuais para infectar seu computador ou smartphone. E, com isso, podem obter informações valiosas ou tomar o controle do dispositivo.

Portanto, quando uma atualização é lançada para consertar alguma brecha de segurança, o ideal é que ela seja instalada o quanto antes. Assim, seu aparelho fica menos tempo vulnerável a possíveis agentes maliciosos.

Entretanto, ainda é comum pessoas receberem notificações sobre updates de programas e apps, mas deixarem para depois e acabarem esquecendo. Se você faz parte desse grupo, o ideal é que mude esse hábito.

Algumas plataformas, permitem programar a atualização automática. É possível até mesmo solicitar que seja feita somente quando conectado ao Wi-Fi, no caso dos smartphones.

AppGeek recomenda:

Taysa Coelho
Taysa Coelho
Jornalista formada pela UFRJ, escreve sobre tecnologia há sete anos. Carioca, atualmente, vive em Portugal, país que adotou. No tempo livre, gosta de ir à praia, ler, ver filmes e fazer maratonas de séries. O Instagram é sua rede social favorita, mas é o WhatsApp quem a salva das saudades de quem ficou no Brasil.